Anestésico Mepivalem AD - DLA

Cód.: DYA4276A
Cód Fabricante:
  • Solução estéril injetável de cloridrato de mepivacaína 2% (20 mg/mL) em associação com à epinefrina 1:100.000 (0,01 mg/mL) (tubetes livre de metilparabeno);
  • Uso pediátrico e adulto
R$167,90
3x de R$55,97 sem juros
Esgotado
Calcular frete e prazo

A previsão de entrega inicia-se após a emissão da Nota Fiscal.

Detalhes do Anestésico Mepivalem Ad 2%

EXCLUSIVAMENTE PARA USO PROFISSIONAL

MEPIVALEM É UM MEDICAMENTO, SEU USO PODE TRAZER RISCOS, PROCURE UM MÉDICO OU UM FARMACÊUTICO. LEIA A BULA. MEDICAMENTOS PODEM CAUSAR EFEITOS INDESEJADOS, EVITE A AUTOMEDICAÇÃO: INFORME-SE COM O FARMACÊUTICO.

Para que serve Mepivalem?

O Mepivalem AD para anestesia local em Odontologia é indicado para a produção de anestesia local por infiltração ou bloqueio, para intervenções odontológicas em geral, extrações múltiplas, próteses imediatas e procedimentos endodônticos. É uma Solução estéril injetável de cloridrato de mepivacaína 2%. 

Contraindicação do Medicamento Mepivalem AD

  • Hipersensibilidade à mepivacaína (ou a qualquer agente anestésico local do tipo amida) ou a epinefrina ou a qualquer dos excipientes. 
  • A insuficiência renal é uma contraindicação relativa à administração de anestésicos locais. Isso inclui pacientes submetidos à diálise renal e aqueles com nefrite túbulo intersticial crônica. 
  • Insuficiência hepática e cardiovascular significativas e a tireotoxicose (hipertireoidismo) são contraindicações relativas ao uso dos AL. Malamed, SE. Manual de Anestesia Local. 6ª ed. Elsevier, 2013. 
  • Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. 
  • Devido à mepivacaína: Graves distúrbios de condução e paciente epiléptico precariamente controlado. 
  • Devido à epinefrina: Hipertensão descontrolada/grave, doença cardíaca isquêmica grave, taquiarritmia persistente/refratária, tireotoxicose e feocromocitoma. 

Cuidados e Advertência com o Uso de Anestésico Mepivalem AD DLA 

  • A segurança e eficácia do AL está ligada diretamente a administração da dose apropriada, uso da técnica correta de injeção e aplicação das devidas medidas de precaução e prontidão para ocorrência de emergências, permitindo o estabelecimento do tratamento adequado para reversão do quadro. 
  • As condições clínicas do paciente devem ser avaliadas previamente a intervenção e consideradas na escolha do AL e dose adequados. 
  • Os efeitos anestésicos locais podem ser reduzidos quando este produto é injetado em uma área inflamada ou infectada. 
  • O profissional deve possuir equipamento de reanimação, oxigenação e fármacos para uso imediato. 
  • A devida atenção à técnica indicada e administração lenta de qualquer solução anestésica local deve ser realizada. 
  • O profissional deverá proceder a administração da menor dose necessária para produzir anestesia eficaz, nunca ultrapassando a dose máxima recomendada; 
  • Os pacientes devem ser informados sobre a possibilidade de perda temporária de sensação e função muscular após a injeção infiltrativa e de bloqueio e para estarem atentos enquanto estruturas como língua, lábios, mucosas e palato estiverem anestesiadas, a fim de evitar traumas nessas estruturas. 
  • Antes de utilizar o produto, o profissional deve observar se existe precipitação, partículas em suspensão, turvação e alteração na coloração do produto tornando inconveniente seu uso. 
  • Este produto deve ser administrado com cuidado em pacientes com função cardíaca comprometida, uma vez que eles podem ser menos capazes de compensar alterações devido à prolongação da condução atrioventricular. Devem ter os parâmetros cardiovasculares (pressão arterial, frequência cardíaca e respiratória) monitorados. 
  • Pacientes descompensados deverão ser encaminhados ao atendimento hospitalar, e serem avaliados previamente pelo médico. 

Posologia do Medicamento Mepivacaína com Epinefrina

  • Deve ser administrada a menor dose necessária para produzir anestesia eficaz; 
  • Em geral, em paciente adulto cerca de 1 mL de solução é suficiente para anestesia infiltrativa na maxila, 1,5 mL em bloqueios regionais enquanto para bloqueio do nervo bucal e palatal apenas 0,2-0,5 mL é necessário; 
  • A dose máxima de MEPIVALEM AD é de 4,4 mg/Kg de peso corpóreo sem ultrapassar 300 mg (equivalente a 8 carpules para adultos saudáveis normais); a dose deve ser reduzida em pacientes clinicamente comprometidos, debilitados ou idosos. Recomenda-se que pacientes cardiopatas e demais comprometimentos sistêmicos relatados anteriormente, sensíveis a epinefrina, recebam apenas 2 carpules por consulta. 
  • Registro ANVISA: 1.0993.0001-001-4. 

Composição do Medicamento Odontológico Mepivalem

  • Cada tubete com 1,8 mL contém 36 mg de cloridrato de mepivacaína e 0,018 mg de epinefrina. 
  • Excipientes: cloreto de sódio, metabissulfito de potássio, edetato dissódico e hidróxido de sódio e/ou ácido clorídrico e água para injetáveis. 

Interações Medicamentosas do Anestésico Mepivacaina

As principais interações que exigem precauções para uso são com Antidepressivos tricíclicos, Antagonista Beta Adrenérgicos, Anestésicos Gerais, Vasopressores simpatomiméticos, Hormônios Tireoidianos, Inibidores de Monoamina oxidase, Inibidores de catecolamina transferase – inibidores COMT, Inibidores de recaptação de serotonina-noradrenalina – ISRSN, Medicamentos que causem arritmias em combinação com Epinefrina,  Medicamentos ocitócicos de tipo ergótico, Neurolépticos, As interações geralmente resultam em aumento da pressão arterial e /ou reações cardiovasculares, risco de arritmias, taquicardia e hipertensão. Para mais informações e outras interações, vide a Bula. 

Anestésico Mepivalem AD 2% Solução Injetável: Reações Adversas

  • Reações adversas após a administração de cloridrato de mepivacaína são similares em natureza das reações observadas com os outros anestésicos locais do tipo amida. 
  • Essas reações adversas são, em geral, relacionadas à dose e podem resultar de altos níveis de plasma causados por overdose, absorção rápida ou injeção intravascular não intencional. 
  • As reações adversas Comuns (Frequentes) são: Palpitações, dor de cabeça, hipertensão, hipotensão (com possível colapso circulatório) e palidez (local, regional, geral). 
  • Para mais informações e outras reações adversas, vide a Bula. 

BULA